República Popular de Zanzibar e Pemba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


People's Republic of Zanzibar and Pemba
República Popular de Zanzibar e Pemba
Flag of the Sultanate of Zanzibar (1963).svg
1964 Flag of Tanzania.svg

Bandeira de República Popular de Zanzibar e Pemba

Bandeira

Localização de República Popular de Zanzibar e Pemba
Continente África
Capital Zanzibar
Governo República liderada pelos militares
Presidente
 • 1964 Abeid Karume
Período histórico Guerra Fria
 • 12 de janeiro de 1964 Revolução de Zanzibar
 • 26 de abril de 1964 Fusão com Tanganica

A República Popular de Zanzibar e Pemba era um estado que consiste nas ilhas do arquipélago de Zanzibar. Existiu por menos de um ano antes de se fundir com a Tanganica para criar a República Unida da Tanzânia.

Históriaeditar | editar código-fonte

No rastro da Revolução de Zanzibar, um Conselho Revolucionário foi estabelecido pelas partes do Partido Afro-Shirazi e o Partido Umma para agir como um governo interino, com Abeid Karume dirigindo o conselho como presidente e Abdulrahman Mohamed Babu servindo como Ministro das Relações Exteriores.1 O país foi renomeado para República Popular de Zanzibar e Pemba;2 os primeiros atos do novo governo foram de banir permanentemente o Sultão e proibir o Partido Nacionalista de Zanzibar e o Partido Popular de Zanzibar e Pemba.3 Buscando se distanciar do volátil John Okello, Karume discretamente o afastou da cena política, embora ele foi autorizado a manter o seu título auto-concedido de marechal de campo.12 No entanto, os revolucionários de Okello logo começaram com as represálias contra a população árabe e asiática de Unguja, realizando, espancamentos, estupros, assassinatos e ataques à propriedades.12 Ele afirmou em discursos de rádio que era para matar ou preder dezenas de milhares de seus "inimigos e patetas",2 mas as estimativas atuais do número de mortes variam muito, de "centenas" a 20.000. Alguns jornais ocidentais dão números de 2.000 a 4.000;45 os números altos pode ser pelas próprias transmissões de Okello e relatórios exagerados de alguns meios de comunicação ocidentais e árabes.267 O assassinato de prisioneiros árabes e seu sepultamento em valas comuns foi documentado por uma equipe de cinema italiano, filmando partir de um helicóptero, para a Africa Addio e essa sequência de filme compreende o documento visual só conhecido dos assassinatos.8 Muitos árabes fugiram para a segurança em Omã,6 embora por ordem de Okello os europeus não forram feridos.1 A violência pós-revolução não se espalhou para Pemba.7

Em 3 de fevereiro de Zanzibar foi finalmente retornou à normalidade, e Karume tinha sido amplamente aceito pelo povo como seu presidente.9 A presença da polícia estava de volta às ruas, lojas saqueadas foram reabertas, e as armas não licenciadas estavam sendo entregues pela população civil.9 O governo revolucionário anunciou que seus presos políticos, 500 no total, seriam julgados por tribunais especiais. Okello formou a Força Militar da Liberdade, uma unidade paramilitar formada por seus próprios partidários, que patrulhavam as ruas e saquearam propriedades árabes.1011 O comportamento dos partidários de Okello, e sua retórica violenta, sotaque ugandense e crenças cristãs foram alienandos muitos na grande parte moderado de Zanzibar,12 e até março de muitos membros de sua Força Militar da Liberdade haviam sido desarmados por partidários de Karume e a milícia do Partido Umma. Em 11 de março, Okello foi destituído de seu posto de marechal de campo,111213 e foi impedido de entrar ao tentar voltar para Zanzibar depois de uma viagem para o continente. Ele foi deportado para Tanganica e, em seguida, para o Quênia, antes de retornar a seu país nativo Uganda.12

Em abril, o governo formou o Exército Popular de Libertação e completou o desarmamento da milícia restante da Força Militar da Liberdade de Okello.12 Em 26 de abril, Karume anunciou que a união tinha sido negociada com a Tanganica para formar o novo país da Tanzânia.14 A fusão foi vista pela mídia contemporânea como um meio de prevenir a subversão comunista de Zanzibar; pelo menos um historiador afirma que pode ter sido uma tentativa de Karume, um socialista moderado, para limitar a influência da Umma partido de esquerda radical.101415 No entanto, muitas das políticas socialistas do Partido Umma sobre a saúde, educação e bem-estar social foram adotadas pelo governo.7

Reação no exterioreditar | editar código-fonte

Forças militares britânicas no Quênia fomos alertadas para a revolução às 04h45 a.m. em 12 de janeiro, e no seguimento de um pedido do Sultão, foram colocados em 15 minutos de espera para realizar um ataque no aeroporto de Zanzibar.216 No entanto, o alto comissário britânico em Zanzibar, Timothy Crosthwait, não relatou instâncias de cidadãos britânicos a ser atacados e aconselhou contra a intervenção. Como resultado, as tropas britânicas no Quênia foram reduzidas e esperaram mais 4 horas naquela noite. Crosthwait decidiu não aprovar uma evacuação imediata dos cidadãos britânicos, como muitos cargos-chave do governo e sua remoção repentina iria perturbar ainda mais economia e do governo do país.16 Para evitar um possível derramamento de sangue, os britânicos concordaram com um cronograma de Karume para uma evacuação organizada.

Poucas horas depois da revolução, o embaixador norte-americano havia autorizado a retirada de cidadãos norte-americanos da ilha, e um destróier da Marinha dos Estados Unidos, o USS Manley, chegou no dia 13 de janeiro.17 O Manley atracou no porto de Zanzibar, mas os Estados Unidos não pediram autorização ao Conselho da Revolução para a evacuação, e o navio foi recebido por um grupo de homens armados.17 A permissão foi concedida, eventualmente, em 15 de janeiro, mas os britânicos consideraram este enfrentamento ser a causa da grande parte da má vontade contra as potências ocidentais em Zanzibar.18

Agências de inteligência ocidentais acreditavam que a revolução tinha sido organizada pelos comunistas fornecidos com armas pelos países do Pacto de Varsóvia. Essa suspeita foi reforçada com a nomeação de Babu como Ministro das Relações Exteriores e Abdullah Kassim Hanga como Primeiro-Ministro, ambos esquerdistas conhecidos com possíveis ligações comunistas.2 Grã-Bretanha acreditava que estes dois eram colaboradores próximos de Oscar Kambona, o Ministro das Relações Exteriores de Tanganica, e que os ex-membros do Tanganyika Rifles foram disponibilizados para ajudar na revolução.2 Alguns membros do Partido Umma usavam fardas e barbas militares cubanas no estilo de Fidel Castro, que foi tomado como indicação de apoio cubano para a revolução.19 No entanto, esta prática foi iniciada por aqueles membros que tinham com pessoal uma filial do Partido Nacionalista de Zanzibar em Cuba e se tornou um meio comum de vestimenta entre os membros do partido da oposição, nos meses que antecederam a revolução.19 O reconhecimento do novo governo de Zanzibar pela República Democrática Alemã (o primeiro governo africano a sê-lo), e da Coreia do Norte, foi mais uma prova para as potências ocidentais de que Zanzibar foi se alinhando estreitamente com o bloco comunista.11 Apenas seis dias depois da revolução o New York Times afirmou que Zanzibar estava "à beira de se tornar a Cuba da África", mas em 26 de janeiro negou que houvesse envolvimento comunista ativo.420 Zanzibar continuou a receber apoio dos países comunistas e em fevereiro foi conhecido por estar recebendo conselheiros da União Soviética, Alemanha Oriental e China.21 Ao mesmo tempo, a influência ocidental foi diminuindo e em julho de 1964 apenas um britânico, dentista, manteve-se a serviço do governo de Zanzibar.22 Foi alegado que o espião israelense David Kimche foi um apoiante da revolução23 e Kimche estava em Zanzibar no dia da Revolução.24

O Sultão deposto fez um apelo frustrado ao Quênia e Tanganica para ter assistência militar,16 embora Tanganica enviou apenas 100 policiais paramilitares para conter os tumultos.2 Diferentemente dos Tanganyika Rifles (antiga King's African Rifles), a polícia foi a única força armada em Tanganica, e em 20 de janeiro a ausência da polícia levou todo o regimento Rifles para um motim.2 Insatisfeitos com os seus pagamentos baixos e com o lento progresso da substituição de seus oficiais britânicos pelos africanos,25 o motim dos soldados provocou revoltas semelhantes em Uganda e Quênia. No entanto, a ordem do continente Africano foi rapidamente restabelecida sem nenhum incidente grave pelo exército britânico e fuzileiros navais reais.26

O possível surgimento de um estado comunista Africano permaneceu uma fonte de inquietação no Ocidente. Em fevereiro, o Comitê de Política de Defesa Britânico no Exterior disse que, embora os interesses comerciais britânicos em Zanzibar era "mínimo" e a revolução por si só "não era importante", à possibilidade de intervenção deve ser mantida.27 O comitê estava preocupado que Zanzibar poderia tornar-se um centro para a promoção do comunismo na África, assim como Cuba teve nas Américas.27 Grã-Bretanha, e a maior parte da Commonwealth, e os Estados Unidos negaram reconhecimento do novo regime até 23 de fevereiro, em que já tinha sido reconhecido por grande parte do bloco comunista.28 Na opinião de Crosthwait, isso contribuiu a Zanzibar se alinhando com a União Soviética; Crosthwait e sua equipe foram expulsos do país em 20 de fevereiro e só foram autorizados a voltar uma vez quando o reconhecimento foi estabelecido.28

Referências

  1. a b c d Speller 2007, p. 7
  2. a b c d e f g h i j Parsons 2003, p. 107
  3. Conley, Robert (14 de janeiro de 1964), «Regime Banishes Sultan», New York Times, consultado em 16 de março de 2014 .
  4. a b Conley, Robert (19 de janeiro de 1964), «Nationalism Is Viewed as Camouflage for Reds», New York Times, consultado em 16 de março de 2014 .
  5. Los Angeles Times (20 de janeiro de 1964), «Slaughter in Zanzibar of Asians, Arabs Told», Los Angeles Times, consultado em 16 de março de 2014 
  6. a b Plekhanov 2004, p. 91
  7. a b c Sheriff & Ferguson 1991, p. 241
  8. Daly 2009, p. 42
  9. a b Dispatch of The Times London (4 de fevereiro de 1964), «Zanzibar Quiet, With New Regime Firmly Seated», New York Times, consultado em 16 de março de 2014 .
  10. a b Speller 2007, p. 15
  11. a b c Sheriff & Ferguson 1991, p. 242
  12. a b c d Speller 2007, p. 17
  13. Conley, Robert (12 de março de 1964), «Zanzibar Regime Expels Okello», New York Times, consultado em 16 de março de 2014 .
  14. a b Conley, Robert (27 de abril de 1964), «Tanganyika gets new rule today», New York Times, consultado em 16 de março de 2014 .
  15. Speller 2007, p. 19
  16. a b c Speller 2007, p. 8
  17. a b Speller 2007, pp. 8–9
  18. Speller 2007, p. 9
  19. a b Lofchie 1967, p. 37
  20. Franck, Thomas M. (26 de janeiro de 1964), «Zanzibar Reassessed», New York Times: E10, consultado em 16 de março de 2014 .
  21. Speller 2007, p. 18
  22. Speller 2007, pp. 27–28
  23. «Israeli spymaster found himself embroiled in Iran-Contra». Sydney Morning Herald. 16 de março de 2010. Consultado em 16 de março de 2014 
  24. p.161 Pateman, Roy Residual Uncertainty: Trying to Avoid Intelligence and Policy Mistakes in the Modern World 2003 University Press of Kentucky
  25. Speller 2007, p. 10
  26. Parsons 2003, pp. 109–110
  27. a b Speller 2007, p. 12
  28. a b Speller 2007, p. 13

Bibliografiaeditar | editar código-fonte